Segundo dados da Serasa Experian, em 2017, nasceram 1.733.061 de microempreendedores no país. Ao mesmo tempo, estudos estatísticos do SEBRAE apontam que aproximadamente 25% das microempresas registradas no CNPJ fecham antes de completar 2 anos no mercado. Tais dados são resultado da baixa produtividade apresentada pelas empresas, gerada pela ausência da padronização dos processos e desenvolvimento da equipe.

Qual a importância de se ter processos padronizados? Quais as vantagens de possuir funções bem definidas por setor ou por processos? Tais fatores influenciam na produtividade da empresa? Como eliminar o tempo ocioso? Essas são algumas das dúvidas apresentadas por microempresas que não apresentam processos e funções bem definidas e acabam tendo sua produtividade prejudicada.

Fatores comuns nessas microempresas são problemas de comunicação interna e falta de conhecimento dos processos. Existem gargalos na interface entre os setores que afetam diretamente nos resultados da empresa, gerando conflitos entre os funcionários. O desconhecimento dos processos impede sua correta execução e gestão, afetando a qualidade do produto final.

Outros problemas comuns são desperdícios e improdutividade. Uma vez que os processos não são organizados e bem definidos, o retrabalho torna-se algo constante, acarretando em desperdícios dentro da empresa. A partir da gestão e organização dos processos, desperdícios são evitados e tempos ociosos são eliminados. Permite-se dessa forma uma otimização na eficiência da empresa e consequente aumento de sua produtividade.

Pode-se concluir, levando em consideração os pontos discutidos, que é de extrema importância a padronização dos processos dentro de uma empresa, estando diretamente relacionado à produtividade e a eficiência da mesma. O conhecimento dos procedimentos e sua devida organização podem levar a empresa a obter seus melhores resultados e reduzir seus custos. Para saber como eliminar essas falhas e impulsionar seus resultados, clique aqui.